29.7.08

As cores do poema

Há dias de cores indefinidas. Peguei
nas sucessivas partes do poema
e tentei uni-las, para que
conseguisse fazer delas
um corpo inteiro
e uno,
como o teu,
peguei em seguida
nas diversas partes do teu corpo,
para que conseguisse fazer delas
o meu,

Sorri.

Molero

1 Comments:

Blogger espelho sem reflexo said...

Escreves ternura, João, ternura.
E as tuas cores deveriam ser assimiladas por mais pessoas.

Um abraço,
fs

12:00 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home